quinta-feira 19 de abril




Patrícia Campos Mello

Patrícia Campos Mello

Patrícia Campos Mello é repórter especial e colunista da Folha, e comentarista das TVs BandNews e Band. Cobre relações internacionais, economia e direitos humanos há 18 anos. Já esteve em quase 50 países fazendo reportagens. É  formada em Jornalismo pela Universidade de São Paulo e tem mestrado em Business and Economic Reporting pela Universidade de Nova York, onde recebeu bolsa de estudos da universidade.

Nos últimos três anos, esteve algumas vezes na Síria, Iraque, Líbia, Turquia e Quênia fazendo reportagens sobre refugiados e co-idealizou o projeto "Mundo de Muros", que retrata a crise das migrações em quatro continentes. No final do ano, publicou pela editora Companhia das Letras o livro "Lua de Mel em Kobane", em que conta a  história da guerra contra o Estado Islâmico na Síria através do olhar de um casal de refugiados que conheceu na Síria.

Foi a única repórter brasileira a cobrir a epidemia de ebola em Serra Leoa em 2014 e 2015. 

Foi correspondente em Washington do jornal Estado de S. Paulo de 2006 a 2010. Fez coberturas sobre a crise econômica nos EUA, cobriu as eleições de 2008, 2012 e 2016; a guerra do Afeganistão em 2009, “embedded” com as tropas americanas, entrevistou o presidente George W Bush na Casa Branca. Cobriu também os atentados de 11 de Setembro em Nova York, em 2001. Já fez reportagens sobre estupros e barriga de aluguel na Índia, erradicação da fome e perseguição a albinos na Tanzânia, mineração e impactos sobre as comunidades em Moçambique, zika e microcefalia no interior de Pernambuco, julgamento de acusados de terrorismo em Guantánamo, entre outras.  

Foi repórter do Valor Econômico e Gazeta Mercantil, pelo qual foi correspondente na Alemanha, em 1999. É autora de "Índia - Da miséria à potência" pela Editora Planeta. Foi vencedora do Prêmio Rei da Espanha de jornalismo internacional,  Prêmio do Comitê Internacional da Cruz Vermelha para jornalismo humanitário, Prêmio Folha e Prêmio Estado. Fala fluentemente inglês, alemão e espanhol. É mãe de Manuel, de 5 anos.
 
Foto da autora por Felipe Campos Mello.
 
 
 
OBRAS
 
 
Não Ficção
O mundo tem medo da China? Nós também (102 páginas), 2005, Editora Mostarda/Terceiro Nome
Índia: da miséria à potência (152 páginas), 2008, Planeta
Lua de mel em Kobani (208 págs.), 2017, Companhia das Letras
2005 - O mundo tem medo da China? Nós também2008 - Índia: da miséria à potência2017 - Lua de mel em Kobani
 
 

Obras em Destaque

  • imagem

    Índia: da miséria à potência

    Planeta - 2008 - 152 págs.

    O retrato de uma nação em transformação, que permanece um mistério para a maioria dos brasileiros, mostra o esforço do governo e do empresariado para construir, externamente, a imagem de um país competitivo na economia e democrático nas instituições.

  • imagem

    O mundo tem medo da China? Nós também

    Mostarda/Terceiro nome - 2005 - 102 págs.

    A China faz o mundo tremer. Seu vertiginoso crescimento econômico, sua gigantesca população, sua fome por bens e serviços de todos os tipos e de todas as origens, sua notável capacidade de transformar-se, sua crescente e às vezes intimidadora presença no cenário político e econômico internacional, as expectativas, as esperanças, as paixões e os temores que gera tornam-na um dos fenômenos mais espetaculares e, ao mesmo tempo, mais intrigantes do mundo contemporâneo. Já foi o maior império da Terra. Mas por muito tempo teve seu brilho ofuscado por outras potências, mesmo da Ásia. Quando despertou novamente, ela o fez de modo assombroso. Poucas vezes se viu uma nação de dimensões como as da China crescer tão depressa e durante tanto tempo. Mas a China também invade mercados de outros países, afastando concorrentes com a mesma falta de cerimônia que se observa nos grandes aglomerados urbanos do país. Ameaça-os e por vezes os esmaga com sua imbatível competitividade em setores diversos e cada vez mais numerosos. De aliado inseparável pode transformar-se em adversário quando seus interesses, apenas seus interesses, assim recomendam. De tanto crescer, e de modo tão rápido, pode ver-se obrigada a parar de maneira abrupta. O que acontecerá então com o gigante? E com o resto do mundo? É um enigma sobre o qual este livro lança luzes.


Sobre a Agência Riff
imagem

Inaugurada em 1991, a Riff representa grandes nomes da literatura brasileira e as principais editoras e agências literárias estrangeiras no Brasil e em Portugal. Saiba mais.




2011 Agência Riff todos os direitos reservados - agenciariff@agenciariff.com.br Guilhotina Design