terça-feira 17 de outubro




Marina Colasanti

Marina Colasanti
 
Marina Colasanti nasceu em 1937, na cidade de Asmara, na Eritréia, então colônia italiana. Em seguida, foi para a Itália. Em 1948, após a Segunda Guerra Mundial, mudou-se com a família para o Rio de Janeiro, onde vive até hoje. O olhar sobre os lugares, bem como as questões femininas, são temas constantes e sempre bem-vindos em sua obra. Marina é uma das mais premiadas escritoras brasileiras, autora de cerca de quarenta livros, entre infantis e juvenis, contos, novelas e ensaios.
 
Amante das viagens, com a mesma versatilidade com que sempre transitou de um lugar para outro, Marina já exerceu diferentes profissões. Foi cronista e editora de veículos como Jornal do Brasil e revista Nova, tendo ganho o Prêmio Abril de Jornalismo três vezes. Também foi premiada como redatora publicitária. Formada em Belas Artes, é ela quem ilustra a maioria dos seus livros. Marina é, ainda, renomada tradutora do inglês, francês e italiano. 
 
Em 1968, Marina estreou na literatura com Eu sozinha. Em 2005, lançou Uma ideia toda azul, seu primeiro livro de contos de fadas, que reune unicórnios, princesas e outros personagens encantadores. Em Doze reis e a moça no labirinto de vento, treze contos de fadas interagem com o inconsciente do leitor. Já 23 Histórias de um viajante tem uma narrativa-mãe e contos que dialogam com ela. Um viajante chega a um reino fechado e, a pedido do príncipe, conta-lhe suas aventuras. O príncipe (e também o leitor) sai modificado após ouvir as histórias.
 
Minha guerra alheia é um lindo livro de memórias da autora, em que ela retrata a guerra vista pelos olhos da criança Marina, na intimidade de uma família, em que o pai era guerreiro voluntário. A história começa com o casamento de seus pais, passa pela África e vai até a vinda da família da Itália para o Brasil. Abaixo, confira a lista completa de obras da autora.
 
Confira abaixo o vídeo sobre seu livro "Mais de cem histórias maravilhosas":
 
Histórias cheias de significados, que parecem sonhos mas tratam de realidades e sentimentos profundos da humanidade. "Mais de cem histórias maravilhosas", reune toda sua produção nesse gênero literário que não está preso a nenhuma época e é para todas as idades. Marina Colasanti é ilustradora das próprias obras, e esse livro é também uma antologia de seu trabalho visual.
 
 
 

OBRAS
 
Contos & Crônicas
Zooilógico (147 págs.) – 1975, Imago (direitos revertidos)
Nada na Manga (183 págs.) - 1975, Nova Fronteira (direitos revertidos)
Contos de Amor Rasgados (208 págs.) – 1986, 2010, Record
Eu Sei, mas não Devia (192 págs.) – 1995, Rocco
O Leopardo é um Animal Delicado (152 págs.) – 1998, Rocco
Um Espinho de Marfim e outras Histórias (188 págs.) – 1999, L&PM 
A Morada do Ser (128 págs.) – 2004, Record
Os Últimos Lírios no Estojo de Seda (120 págs.) – 2006, Editora Leitura
Marina Colasanti - Crônicas para Jovens (Seleção, Prefácio e Notas Biobibliográficas:  Antonieta Cunha) (102 págs.) – 2012, Global
Hora de Alimentar Serpentes (448 págs.) – 2013, Global
A Cidade dos Cinco Ciprestes – (no prelo), Global
Melhores Crônicas Marina Colasanti (288 págs.) - 2016, Global
1995 - Eu sei, mas não devia1998 - O leopardo é um animal2004 - Um espinho de marfim e outras histórias2004 - A morada do ser2006 - Os últimos lírios no estojo de seda2012- crônicas para jovens2013- Hora de alimentar serpentes2016 - Melhores Crônicas Marina Colasanti
 
 
Não Ficção: Ensaios, Artigos
Eu Sozinha (150 págs.) – 1968, Record (direitos revertidos)
A Nova Mulher (204 págs.) – 1980, Nórdica (direitos revertidos)
Mulher daqui pra frente (197 págs.) – 1981, Nórdica (direitos revertidos)
E por Falar em Amor (307 págs.) – 1984, 1992, Rocco (direitos revertidos)
Aqui entre Nós (187 págs.) – 1988, Rocco 
Intimidade Pública (264 págs.) –1990, Rocco
Fragatas para Terras Distantes (256 págs.) – 2004, Record
Minha Guerra Alheia (286 págs.) – 2010, Record
Como se fizesse um cavalo (80 págs.) - 2012, Pulo do Gato
2004 - Fragatas pra terras distantes2010 - Minha guerra alheia2012 Como se fizesse um cavalo
 
 
Poesias
Rota de Colisão (118 págs.) – 1993, Rocco (direitos revertidos)
Gargantas Abertas (124 págs.) – 1998, Rocco
Fino Sangue (130 págs.) – 2005, Record
Minha Ilha Maravilha / infantil (40 págs.) - 2007, Atica
Poesia em 4 Tempos (45 págs.) – 2008, Global
Passageira em Trânsito (123 págs.) – 2009, Record
Classificados e nem tanto (102 págs.) – 2010, Record
O Nome da Manhã (il. Marina Colasanti) (60 págs.) – 2012, Global
1993 - Rota de colisão2005 - Fino sangue2007 - Minha ilha maravilha2008 - Poesia em quatro tempos2009 - Passagem em trânsito2010 - Classificados e nem tantoO Nome da Manhã
 
 
Novelas
23 Histórias de Um Viajante (223 págs.) – 2005, Global
2005 - 23 histórias de um viajante
 
 
Citações
De Mulheres, sobre Tudo (208 págs.) – 1995, Ediouro (direitos revertidos)
Esse Amor de Todos Nós (232 págs.) – 2000, Rocco
2000 - Esse amor de todos
 
 
Infantil & Juvenil & Contos de Fadas
Será que tem Asas? (16 págs.) – 1989, Quinteto (direitos revertidos)
Ana Z, aonde vai Você? (88 págs.) – 1993, Ática
Longe Como o Meu Querer (136 págs.) – 1997, Ática
O Menino que achou uma Estrela (16 págs.) – 1988, 2000, Global 
Cada Bicho Seu Capricho (16 págs.) – 1992, 2000, Global
Doze Reis e a Moça no Labirinto do Vento (96 págs.) – 1982, 2001, Global
O Verde Brilha no Poço (16 págs.) – 1986, 2001, Global
Um Amor Sem Palavras (16 págs.) – 1995, 2001, Global
Penélope manda Lembranças (110 págs.) – 2001, Ática
A Casa das Palavras / coleção Para gostar de ler (91 págs.)– 2002, Ática
Ofélia, a Ovelha (16 págs.) – 1989, 2003, Global
A Moça Tecelã (16 págs.) – 2004, Global
Uma Estrada Junto ao Rio (32 págs.) – 1985, 2005, FTD
O Homem Que Não Parava de Crescer (42 págs.) – 1995, 2005, Global
Uma Ideia Toda Azul (61 págs.) – 1979, 2006, Global 
A Menina Arco-íris (32 págs.) – 1984, 2001, 2007, Global
Minha tia me contou (112 pgs.)– 2007, Melhoramentos
O Lobo e o Carneiro no Sonho da Menina (24 págs.) – 1985, 2008, Global
Com Certeza tenho Amor (96 págs.) – 2009, Global 
Do Seu Coração Partido (96 págs.) – 2009, Global 
Entre a Espada e a Rosa (72 págs.) – 1992, 2010, Melhoramentos
A Mão na Massa (48 págs.) – 1990, 2010, Rovelle
Antes de Virar Gigante e Outras Histórias (il. Marina Colasanti) (104 págs.) – 2010, Ática
Breve História de um pequeno Amor (48 págs.)  / il. Rebeca Luciani – 2013, FTD
Como uma Carta de Amor (80 págs.)  / il. Marina Colasanti – 2014, Global
Mais de 100 Histórias Maravilhosas (432 págs.)  / il. Marina Colasanti – 2015, Global
Tudo tem princípio e fim / il. Marina Colasanti (80 págs.) – 2017, Escarlate
Um Amigo para Sempre / il.  Guazzelli (49 págs.) – 1988 (2017), FTD
Quando a primavera chegar / il. Marina Colasanti (112 págs.) – 2017, Global
1993 - Ana Z, aonde vai você?2000 -  O menino que achou uma estrela2000- Cada bicho Seu capricho2001 - Doze reis e a moça no labirinto do vento2001 - O Verde brilha no poço2001 - Penélope manda lembranças2003 - Ofelha, a ovelha2004 - A moça Tecelã2005 - O homem que não parava de crescer
2007 - Minha tia me contou2008 - O lobo e o carneiro no sonho da menina2009 - Com certeza tenho amor2009 - Do seu coração partido2010 - Entre a espada e a rosa2010 - A mão na massa2010 - Antes de virar gigante e outras histórias2013-Breve História de um pequeno Amor2014 Como uma Carta de Amor
2015 - Mais de 100 historias maravilhosas2017 - Tudo tem princípio e fim2017- Um amigo para sempre2017- Quando a primevera chegar
 
 
Edições estrangeiras
Alemanha: Mein fremder krieg / Minha Guerra Alheia - (2016), Weidle Verlag
América Latina: Un Verde Brilla en el Pozo – 2004, Global
América Latina: La Jovem Tejedora – 2005, Global
América Latina: Un Amor Sin Palabras – 2005, Global
América Latina: Penélope manda lembranças / Penélope manda saludos / il. Irene Vasco – (2016), Panamericana
América Latina: Ofélia, a ovelha – (no prelo), Panamericana
América Latina: Ana Z., aonde vai você? / Ana Z. a donde vas? – 2016, Panamericana
América Latina: La Niña arcoíris / A Menina Arco-Íris / trad. Beatriz Peña Trujillo – 2017, Panamericana
América Latina: O Lobo e o Carneiro no Sonho da Menina – (no prelo), Panamericana
Argentina: Veintitrés historias de un viajero - 2010, Grupo Editorial Norma
Argentina: Ruta de Colision - 2004, Ediciones Del Copista
Argentina: O Lobo e o Carneiro no Sonho da Menina – (no prelo), Penguin Random House
Argentina: Un Amigo para Siempre – 2012, Calibroscopio 
Colômbia: Fragatas para Tierras Lejanas – 2004, Grupo Editorial Norma
Colômbia: El Hombre que No Paraba de Crecer – 2005, Grupo Editorial Norma 
Colômbia: Lejos como mi querer - 2006, Grupo Editorial Norma
Colômbia:  Entre la Espada y la Rosa – 2009, Babel Libros
Colômbia: La Amistad Bate la Cola - 2011, Alfaguara
Colômbia:  Minha Guerra Alheia / Mi Guerra Ajena / trad. Beatriz Peña Trujillo – 2013, Babel Libros
Colômbia:  Breve História de um Pequeño Amor/Breve História de um Pequeno Amor / trad. Beatriz Peña Trujillo – 2015, Alfaguara
Cuba: Entre La Espada y la Rosa - 2009, Editorial Gente Nueva (direitos revertidos)
Cuba: Lejos como mi querer / Longe como o meu querer - (no prelo), Editorial Gente Nueva
Egito: O Menino que achou uma estrela - (no prelo), Sphinx Agency
Espanha: En el Laberinto del Viento (Doze Reis e a Moça no Labirinto do Vento + Uma Idéia Toda Azul)  – 2008, Anaya (direitos revertidos)
Espanha, Catalão: Doze Reis e a Moça no Labirinto do Vento + Uma Idéia Toda Azul – (no prelo) , Anaya
Espanha, Galego: No Labirinto do Vento (Doze Reis e a Moça no Labirinto do Vento + Uma Idéia Toda Azul) – 2008, Ediciones Xerais
Espanha: Classificados y no tanto – 2010, El Jinete Azul (direitos revertidos)
Espanha: Penélope Manda Recuerdos – 2004, Anaya (direitos revertidos)
França: Une Idée Couleur d´azur – 1990, L´Harmattan
Portugal: Um Espinho de Marfim e Outras Histórias – 2005, Figueirinhas
Espanha: Cuentos de Amor Rasgados / Contos de Amor Rasgados – 2014, Diego Pun Ediciones
2016 - Mein fremder krieg / Minha Guerra Alheia2016 - Penélope manda lembranças - América Latina2016 - América Latina: Ana Z., aonde vai você? 2017 - La Niña arcoíris2010 - Veintitrés historias de un viajero - Argentina2009 - Lejos como mi querer - Colômbia2015 -  Colômbia:  Breve Historia de un Pequeño Amor2009 - Entre la espada y la rosa - Colômbia2009 - Mi guerra Ajena - Colômbia2009 - Entre la espada y la rosa - Cuba2009 - Penélope manda recuerdos - EspanhaDoze reis e a moça no labirinto do vento - Espanha1990 - Une idée couleur d'azur - FrançaColômbia: La Amistade Bate la Cola - 2011, Alfaguaraun amigo para siempre2014 - Cuentos de amor rasgados
 
 
Prêmios
O Melhor Para o Jovem, FNLIJ, 1979, por Uma ideia toda azul
Grande Prêmio de Crítica, da Associação Paulista de Críticos de Artes, categoria literatura infantil, 1979, por Uma ideia toda azul
Altamente Recomendável para Jovens, FNLIJ, 1982, por Doze Reis e a Moça no Labirinto do Vento  
Altamente Recomendável para Crianças, FNLIJ, 1988, por O menino que achou uma estrela
Altamente Recomendável para Crianças, FNLIJ, 1989, por Ofélia a ovelha 
Prêmio Genolino Amado (UBE), Menção Especial, 1992, por Intimidade pública
O Melhor Para o Jovem, FNLIJ, 1993, por Entre a espada e a rosa
Prêmio Jabuti, Câmara Brasileira do Livro, 1993, por Entre a espada e a rosa
Concurso Latinoamericano de Cuentos para Niños (FUNCE/INICEF), prêmio único, Costa Rica, 1994, por La Muerte y el Rei 
Prêmio Jabuti, Câmara Brasileira do Livro, 1994, por Rota de Colisão
Prêmio Jabuti, Câmara Brasileira do Livro, categoria melhor livro infantil/juvenil, 1994, por Ana Z aonde vai você?
O Melhor Para o Jovem, FNLIJ, 1994, por Ana Z aonde vai você?
Prêmio Norma-Fundalectura, Mejor del Año, Banco del Libro, Venezuela, 1998, por Lejos Como Mi Querer 
Altamente Recomendável para Jovens, FNLIJ, 1998, por Longe Como Meu Querer 
Prêmio Jabuti, Câmara Brasileira do Livro, 1997, por Eu Sei, Mas Não Devia  
Prêmio Origens Lessa - O Melhor para o Jovem, Hors Concours, FNLIJ, 2001, por Penélope Manda Lembranças
Prêmio Origenes Lessa - O Melhor para o Jovem, Hors Concours, FNLIJ, 2002, por A Casa das Palavras.
Monteiro Lobato - Melhor Tradução Criança, Hors Concours,FNLIJ, 2002, por As Aventuras de Pinóquio 
IBBY Honour List – Tradução, 2004, por As Aventuras de Pinóquio
Prêmio Odylo Costa Filho - O Melhor Livro de Poesia, Hors Concours, FNLIJ, , 2008, por Minha Ilha Maravilha.
Prêmio Alphonsus de Guimarães – Poesia, 2009, por Passageira em Trânsito
Prêmio O Melhor Para o Jovem, Hors Concours, FNLIJ, 2010, por Com Certeza tenho Amor
Prêmio Jabuti, CBL, 2010, Categoria Poesia por Passageira em Trânstio
Prêmio Jabuti, CBL, 2011, Categoria Juvenil, por Antes de Virar Gigante
Categoria: Criança, FNLIJ, 2014, por Breve História de Um Pequeno Amor
 
Direitos Revertidos
A Amizade Abana o Rabo (48 págs.) – 2002

Obras em Destaque

  • imagem

    Minha Guerra Alheia

    Record - 2010 - 286 págs.

    Nesse comovente livro de memórias - ora dramáticas, ora singelas, ora históricas, ora emotivas - Marina Colasanti retrata a guerra vista pelos olhos de uma criança. O livro começa com o casamento de seus pais, passa pela África e vai até a vinda de sua família da Itália para o Brasil. A autora ressalta as lembranças que têm da força interior de mulheres ao seu redor, como a mãe e a babá, que conservaram a cabeça erguida nas circunstâncias mais duras.
     
    Seu pai, alegre e generoso, era guerreiro voluntário. Logo no início, Marina se pergunta de onde vinha essa paixão dele. “Se de uma visão romântica da Guerra, se de pura paixão por aventura, ou se de uma violência interior que só em batalha aflorava”, escreve. A autora transforma esses pensamentos e as consequências do conflito na vida familiar em alta literatura.

  • Uma Ideia Toda Azul

    Global - 2006 - 1979 págs.

    Em Uma ideia toda azul, Marina Colasanti resgata a importância dos contos de fada. Os dez contos do livro nos falam, por exemplo, do vento que traz notícias do mundo para o rei, da donzela que borda seu mundo particular, da princesa que desconhece que toda beleza precisa ser livre, de um unicórnio e sua paixão, do eterno fiar de duas irmãs, da princesa e seu único amigo e de amores impossíveis. 

  • imagem

    23 Histórias de Um Viajante

    Global - 2005 - 223 págs.

    Um cavaleiro chega às portas de um reino onde um príncipe vive isolado do resto do mundo. Fascinado pelas histórias que o outro lhe traz, o príncipe decide acompanhá-lo na travessia das suas próprias terras. Enquanto avançam, o viajante relata suas andanças e mostra que narrar é viajar. Como uma caixa que contém outras caixas, essas histórias, surpreendentes por sua carga mítica e fascinantes por sua modernidade, desdobram-se na construção de um sentido comum.
     
    Alternam-se uma grande narrativa-mãe, a do rei submergindo nos relatos do viajante, e vinte e três contos, onde o leitor encontra, por exemplo, caçadores, monges, lavadeiras, comerciantes, engenheiros, anões, saltimbancos, guerreiros, aristocratas, enfim, personagens regidos pela criatividade e pelo simbolismo. Levado pela linguagem poética e pela capacidade de Marina Colasanti e imergir em outros mundos, o leitor faz as suas próprias viagens.
     
    “Um livro instigante, cuja leitura, virada a última página, adere ao pensamento e fica. Ou melhor, finca raízes de ideias e sensações que frutificam”, 
    O Estado de São Paulo

  • imagem

    Fragatas para Terras Distantes

    Record - 2004 - 256 págs.

    No livro de ensaios Fragatas para Terras Distantes a autora reúne textos proferidos em conferências no Brasil e no exterior. Suas experiências de leitora servem de base para finas reflexões teóricas. A infância povoada de livros na Itália fascista ressurge ao tratar da questão da leitura em tempos de violência, os autores lidos com o primeiro namorado afloram ao analisar a relação dos jovens com a literatura, o percurso dos contos de fadas na nossa cultura se entrecruza com a atuação de Marina nesse gênero. No mais longo texto do livro, ela faz uma leitura comparada brilhante de três clássicos infantis: Alice, Pinóquio e Peter Pan. Uma obra deliciosa, capaz de encantar desde acadêmicos letrados até leitores iniciantes.
     
    “O livro não tem codificações acadêmicas, nem o entrave do erudito. Os ensaios ganham a dimensão do afeto nesta viagem pelos territórios da leitura”
    O Globo
     
    “Marina fala do ato de escrever como uma atividade que legitima o imaginário, os sonhos e os desejos”
    O Globo
     
    Adriana Baggio, site Digestivo Cultural
     

  • imagem

    A Morada do Ser

    Record - 2004 - 128 págs.

    Os minicontos reunidos em A morada do ser discursam sobre um tema: a moradia e elementos relacionados a ela, como a solidão, a super povoação, o isolamento, a criação do próprio espaço, o tempo. Cada conto representa um apartamento, e entre cada andar de apartamentos há um conto sobre áreas comuns, como lixeira, garagem, elevadores etc. Para compor esta obra Marina desenhou seu prédio, fez um mapa imobiliário e começou a olhar para ele como se fosse um edifício de verdade. Definiu onde havia uma pessoa sozinha, onde havia uma pessoa que não suportava viver com outra, onde havia uma televisão ligada. Assim, localizou os mitos, distribuiu os assuntos pelos andares e portas, e só depois começou a escrever a obra, com que o leitor terá identificação imediata.


Sobre a Agência Riff
imagem

Inaugurada em 1991, a Riff representa grandes nomes da literatura brasileira e as principais editoras e agências literárias estrangeiras no Brasil e em Portugal. Saiba mais.




2011 Agência Riff todos os direitos reservados - agenciariff@agenciariff.com.br Guilhotina Design