sexta-feira 24 de novembro




Novo livro de Roberto DaMatta sai pela Rocco

 

Os brasileiros podem não acreditar, mas fila existe em qualquer lugar do mundo e se forma pelos mais diversos motivos: para pagar compras no supermercado ou contas no caixa do banco, aguardar a entrada para um show ou peça de teatro... Entrar na fila, em muitos países, significa esperar pacientemente a sua vez, sendo a única forma de hierarquização a ordem de chegada, não importa de que classe social, idade ou gênero você seja. Ficar atrás de um desconhecido, e ter outro logo atrás de você, dá um caráter de igualdade e, por isso mesmo, pode ser considerado um instrumento democrático. No entanto, no Brasil, por que a fila é tão mal vista?
 
Fila e democracia é um ensaio a quatro mãos. O livro nasceu da dissertação do Mestre e Ciências Sociais da PUC-Rio Alberto Junqueira, sob orientação do antropólogo Roberto DaMatta. Ele começou a pesquisar a fila como uma instituição retratada como um ritual ou prática coercitiva e obrigatória. Mas, com a evolução do trabalho, a discussão evoluiu para a fila como uma instituição essencial para construção de um espaço público igualitário e democrático. A fila seria uma “prova” da igualdade como um valor.
 
Se eleições livres e competitivas são um dos marcos da vida democrática, entramos numa fila para votar. Realmente, nada mais trivial nos estados nacionais democráticos do que o ato de ficar atrás de um desconhecido e na frente de outro para pacientemente esperar com a intenção de realizar alguma tarefa. Junqueira e DaMatta vão além: o conceito da fila garante inclusive a saudável rotatividade e alternância de poder: partidos políticos e grandes  empresas que competem por consumidores no mercado entram em “filas” para governar e realizar seus negócios e para operar seus esquemas de corrupção. Segundo a dupla, a democracia liberal é, na forma e no fundo, um regime baseado no direito e no respeito à fila, e, sem ela, não haveria o esperado rodízio que renova energias e pontos de vista — além depermitir a correção de erros e enganos de produtos, partidos e, quem sabe, de políticos.
 
O movimento impessoal e automático de último a primeiro, quando “chega a nossa vez”, caracteriza-se como uma miniatura perfeita da movimentação positiva bem como dos dilemas do individualismo igualitário, cerne das cosmologias democráticas liberais e do capitalismo, em contraste com os sistemas predominantemente aristocráticos e hierarquizados. É justamente essa ideia que explica a resistência dos brasileiros em respeitar seu lugar na fila, e tentar “burlar” sua ordem, seja comprando um lugar nela ou a furando, numa clara demonstração de poder e sagacidade. No Brasil, a fila reforça valores hierárquicos da lógica aristocrática,rompendo justamente com o valor de igualdade: miticamente, o rei e a nobreza foram os primeiro a chegar, são considerados os conquistadores-fundadores da nação e vieram do céu (ou do estrangeiro, “lá fora”), onde residiam com os deuses ou os mais “adiantados”. São os primeiros da fila, seguindo daí até a “plebe” e os discriminados, considerados sempre os últimos. As pessoas não estão acostumadas a se igualar aos outros. Como transformar a fila num ritual de igualdade em uma sociedade tão desigual?, analisam os autores.



Sobre a Agência Riff
imagem

Inaugurada em 1991, a Riff representa grandes nomes da literatura brasileira e as principais editoras e agências literárias estrangeiras no Brasil e em Portugal. Saiba mais.




2011 Agência Riff todos os direitos reservados - agenciariff@agenciariff.com.br Guilhotina Design