Carlos Drummond de Andrade

Sobre o autor

O poeta do “sentimento do mundo”, Carlos Drummond de Andrade nunca foi de holofotes. Nasceu em 1902, em Itabira, a pequena cidade mineira que viria a permear parte de sua obra e imaginário poético. Ainda jovem, ligou-se à proposta estética do Modernismo e fundou ao lado de três amigos A Revista para divulgar o então efervescente movimento artístico no Brasil. Formou-se em Farmácia e se casou, em 1925, com Dolores Dutra de Morais, com quem teve dois filhos; Carlos Flávio, que viveu apenas meia hora, e Maria Julieta Drummond de Andrade, com quem manteve uma relação estreita durante toda a sua vida. Em 1930, publicou Alguma poesia, sua primeira obra poética, que ganhou nova edição em 2013 pela Companhia das Letras.

Foi cronista dos mais importantes jornais brasileiros e trabalhou a maior parte da vida como funcionário público. Mudou-se para o Rio de Janeiro em 1934, onde permaneceria até a morte. Na capital federal, assumiu a chefia do gabinete do ministro da Educação e Saúde Pública, seu amigo Gustavo Capanema. Em 1940, publicou Sentimento do mundo, de apenas 150 exemplares. A obra se tornaria um clássico, deslumbrando leitores a cada geração com todo o seu lirismo itabirano.  Tamanho encantamento que voltaria a se repetir outras tantas vezes, como em 1945, com a publicação de A rosa do povo.

Sofisticado e popular, Drummond foi homenageado em 1987 com o samba-enredo O reino das palavras, pela Mangueira, que se sagrou campeã naquele ano. Em cinco de agosto desse mesmo ano, perdeu sua única filha, vítima de câncer. Doze dias depois, com problemas de saúde agravados, o poeta faleceu aos 84 anos, deixando cinco obras póstumas: O avesso das coisas, Moça deitada na grama, Poesia errante, O amor natural e Farewell.

Publicado no Brasil pela editora Companhia das Letras, Drummond foi adaptado, traduzido para mais de uma dezena de idiomas, declamado, citado, analisado, debatido, lido, relido e amado de todas as formas, e é ainda hoje apontado por intelectuais, artistas, escritores, acadêmicos, críticos e leitores em geral como o maior poeta do Brasil. Na realidade, ser maior nunca foi um sonho de Drummond. O próprio poeta admitia: “Sou incapaz de atravessar uma sala cheia de gente”. E os verdadeiros poetas são assim mesmo, meio invisíveis, pelo menos quando andam nas ruas ou circulam em festas e reuniões repletas de gente.

 


Citações

“ninguém faz ideia do que significava possuir um exemplar dessas bíblias do lirismo itabirano. […] Ver, assim que ela apareceu, era um privilégio. Um deslumbramento”
Otto Lara Resende, sobre Carlos Drummond de Andrade

“A escrita de Drummond se embate com a dureza do limite, do obstáculo e do relevo ferrífero. Um é a “pedra no meio do caminho”, o outro, “a terceira margem do rio”. Drummond via nos profetas do Aleijadinho essa dimensão de confabulação silenciosa com as montanhas, com a qual se identificava.”
José Miguel Wisnik, sobre Carlos Drummond de Andrade

 “Você é uma sólida inteligência e já muito bem mobiliada… à francesa.”
Mário de Andrade, escritor, poeta e crítico literário, em correspondência destinada a Carlos Drummond de Andrade

 “Só há uma pessoa que se ombreia a ele nessas amizades que a literatura me trouxe: Antonio Candido. Os dois são minhas paixões maiores e por quem tenho uma admiração irrestrita. Foi um privilégio ter começado tão cedo com eles.”
Armando Freitas Filho, poeta, sobre Carlos Drummond de Andrade

“O Brasil realmente tem um pé em cada canoa, numa contemporaneidade muito forte e numa coisa arcaizante que não sai. O Drummond acessou esses fios desencapados e fez uma faísca.” 
Nuno Ramos, artista plástico, pintor, videomaker e ensaísta, sobre Carlos Drummond de Andrade

 


Leia mais

Matéria de O Globo sobre a publicação das primeiras crônicas de Carlos Drummond de Andrade

Acervo do Estadão sobre Carlos Drummond de Andrade

Acervo IMS – Carlos Drummond de Andrade


Share

Vídeos

  • Parolagem da vida
    Poesia
    56 págs, 2020, Companhia das Letras.
  • Daqui estou vendo o amor
    Poesia
    47 págs, 2013, Companhia das Letras.
  • O Jardim
    Poesia
    48 págs, 2015, Companhia da Letrinhas.
  • Confissões de Minas
    Contos e Crônicas
    338 págs, 1944/2011/ prelo, Companhia das Letras.
  • Cadeira de Balanço
    Contos e Crônicas
    272 págs, 1966/2009/prelo, Companhia das letras.
  • O Gerente
    Contos e Crônicas
    72 págs, 2009, Record (dir.revertidos).
  • Tempo Vida Poesia
    Contos e Crônicas
    128 págs, 1986/2008/ prelo, Companhia das letras.
  • Moça Deitada na Grama
    Contos e Crônicas
    218 págs, 1987/prelo, Companhia das letras.
  • O Observador no Escritório
    Contos e Crônicas
    384 págs, 1985/2006/prelo, Companhia das letras.
  • Viola de Bolso
    Poesia
    1 págs, 1955/prelo, Companhia das Letras.
  • O Avesso das Coisas
    Contos e Crônicas
    288 págs, 1987/2007/2019, Companhia das letras.
  • Amar se Aprende Amando
    Poesia
    176 págs, 1985/2018, Companhia das Letras.
  • 70 historinhas
    Contos e Crônicas
    222 págs, 1978/2008/2016, Companhia das Letras.
  • Auto-retrato e Outras Crônicas
    Contos e Crônicas
    256 págs, 1989/2018, Record (dir.revertidos).
  • Uma forma de saudade: Páginas de diário
    Poesia
    192 págs, 2017, Companhia das Letras.
  • Versiprosa
    Poesia
    296 págs, 1967/2017, Companhia das Letras.
  • Boitempo – Esquecer para Lembrar
    Poesia
    336 págs, 1973/2006/2017, Companhia das Letras.
  • Boitempo – Menino Antigo
    Poesia
    336 págs, 1968/2006/2017, Companhia das Letras.
  • Conversa de Morango
    Infantil e Juvenil
    64 págs, 2016, Companhia das Letrinhas.
  • Farewell
    Poesia
    104 págs, 1996/2016, Companhia das Letras.
  • Vou Crescer Assim Mesmo
    Poesia
    64 págs, 2016, Companhia das Letras.
  • Caminhos de João Brandão
    Contos e Crônicas
    200 págs, 1970/2016, Companhia das Letras.
  • O Poder Ultrajovem
    Contos e Crônicas
    240 págs, 1972/2011/2016, Companhia das Letras.
  • Receita de Ano Novo
    Poesia
    94 págs, 2008/2015, Companhia das Letras.
  • Nova Reunião: 23 Livros de Poesia
    Poesia
    928 págs, 2015, Companhia das Letras.
  • Declaração de Amor
    Poesia
    64 págs, 2005/2015, Companhia das Letras.
  • A Falta Que Ama
    Poesia
    80 págs, 1968/2015, Companhia das Letras.
  • Corpo
    Poesia
    112 págs, 1984/2015, Companhia das Letras.
  • A Lição do Amigo
    Contos e Crônicas
    440 págs, 1982/2015, Companhia das Letras.
  • Discurso de Primavera e Algumas Sombras
    Poesia
    200 págs, 1977/2014, Companhia das Letras.
  • O Amor Natural
    Poesia
    104 págs, 1992/2014, Companhia das Letras.
  • A Paixão Medida
    Poesia
    98 págs, 1980/2014, Companhia das Letras.
  • Boca de Luar
    Contos e Crônicas
    184 págs, 1984/2009/2014, Companhia das Letras.
  • Quando é Dia de Futebol
    Contos e Crônicas
    200 págs, 2014, Companhia das letras.
  • História de Dois Amores
    Infantil e Juvenil
    60 págs, 1985/2013, Companhia das Letrinhas.
  • A Vida Passada a Limpo
    Poesia
    88 págs, 1994/2013, Companhia das Letras.
  • Brejo das Almas
    Poesia
    72 págs, 1934/2013, Companhia das Letras.
  • Alguma Poesia
    Poesia
    112 págs, 1930/2013, Companhia das Letras.
  • De Notícias e Não Notícias Faz-se a Crônica
    Contos e Crônicas
    280 págs, 1974/2013, Companhia das Letras.
  • O homem que fazia chover
    Contos e Crônicas
    128 págs, 2013, Companhia das letras.
  • Os Dias Lindos
    Contos e Crônicas
    238 págs, 1977/2013, Companhia das letras.
  • Menino Drummond
    Infantil e Juvenil
    56 págs, 2012, Companhia das Letrinhas.
  • As Impurezas do Branco
    Poesia
    156 págs, 1973/2012, Companhia das Letras.
  • Antologia Poética
    Poesia
    328 págs, 1962/2012, Companhia das Letras.
  • Fazendeiro do Ar
    Poesia
    80 págs, 1954/2012, Companhia das Letras.
  • Lição de Coisas
    Poesia
    128 págs, 1962/2012, Companhia das Letras.
  • José
    Poesia
    65 págs, 1954/2012, Companhia das Letras.
  • Os 25 Poemas da Triste Alegria
    Poesia
    144 págs, 2012, Cosac Naify (dir. revertidos).
  • Poesia 1930-62
    Poesia
    1016 págs, 2012, Cosac Naify (dir. revertidos).
  • Claro Enigma
    Poesia
    136 págs, 1951/2012, Companhia das Letras.
  • Sentimento do Mundo
    Poesia
    88 págs, 1940/2012, Companhia das Letras.
  • A Rosa do Povo
    Poesia
    202 págs, 1945/2012, Companhia das Letras.
  • Contos Plausíveis
    Contos e Crônicas
    186 págs, 1981/2012, Companhia das letras.
  • A Bolsa & A Vida
    Contos e Crônicas
    168 págs, 1962/2008/2012, Companhia das letras.
  • Fala, Amendoeira
    Contos e Crônicas
    208 págs, 1957/2012, Companhia das letras.
  • Contos de Aprendiz
    Contos e Crônicas
    152 págs, 1951/2012, Companhia das letras.
  • Passeios na Ilha
    Contos e Crônicas
    346 págs, 1952/2011, Cosac (dir. revertidos).
  • Uma Pedra no Meio do Caminho
    Poesia
    344 págs, 2010, Instituto Moreira Salles.
  • Alguma Poesia
    Poesia
    120 págs, 2010, Instituto Moreira Salles.
  • A Palavra Mágica
    Infantil e Juvenil
    140 págs, 1996/2008, Record (dir. revertidos).
  • O Sorvete e outras histórias
    Infantil e Juvenil
    64 págs, 1993/1998/2007, Ática (dir. revertidos).
  • A Cor de Cada Um
    Infantil e Juvenil
    40 págs, 1996/2007, Record (dir. revertidos).
  • Encontros
    Poesia
    232 págs, 2004, Azogue Editorial.
  • Rick e a Girafa
    Infantil e Juvenil
    114 págs, 2001, Ática (dir. revertidos).
  • Criança Dagora é Fogo
    Infantil e Juvenil
    39 págs, 1996/1998, Record (dir. revertidos).
  • Vó caiu na Piscina
    Infantil e Juvenil
    48 págs, 1996/1998, Record (dir. revertidos).
  • As Palavras que Ninguém Diz
    Infantil e Juvenil
    122 págs, 1997, Record (dir. revertidos).
  • Histórias para o Rei
    Infantil e Juvenil
    98 págs, 1997, Record (dir. revertidos).
  • A Senha do Mundo
    Infantil e Juvenil
    48 págs, 1996/1997, Record (dir. revertidos).