Genêro do Autor: Guias

Teté Ribeiro

24 de novembro de 2018

Sobre a autora

Filha do jornalista José Hamilton Ribeiro, Teté Ribeiro nasceu em 1970, em São Paulo, onde mora com o marido, o também jornalista Sérgio D’ávila, e suas duas filhas, Rita e Cecilia. Formada em Filosofia pela USP, é editora da Revista Serafina da Folha de S. Paulo e foi correspondente do jornal em Los Angeles, já tendo entrevistado grandes nomes do cinema, do teatro e da literatura, entre eles Woody Allen, George Clooney e David Lynch.

Participou também do programa de TV Saia Justa, do GNT, ao lado de Mônica Waldvogel, Camila Morgado, Du Moscovis e Xico Sá. É autora de quatro livros de não ficção, entre eles Minhas duas meninas (Companhia das Letras, 2016), Divas abandonadas (Jaboticaba, 2007) e A Nova York de Sex and the city (ARX, 2008).

 


 

Citações

“O relato da inusitada trajetória de Teté rumo à maternidade, os dilemas de ser mãe sem dar à luz, sua relação com a dona da barriga indiana e o périplo para cuidar das gêmeas no dia a dia estão descritos, com riqueza de detalhes e emoção, no livro Minhas duas meninas.”
O Globo, sobre Minhas duas meninas (Companhia das Letras)

“’Minhas duas meninas’ merece atenção. (…) É raro ver um autor tão consciente do próprio relato, de como ele soa e do efeito que provoca — o que não é apenas uma questão estética. Impressiona, por exemplo, o domínio da jornalista sobre aquilo que entrega e aquilo que deixa de fora. E sobre o tom sóbrio que, contrariando todas as probabilidades, nunca se altera.”
Camila von Holdefer, crítica literária, sobre Minhas duas meninas (Companhia das Letras), na Folha de S. Paulo

 


 

Leia mais

Entrevista de Teté Ribeiro para o Programa do Jô sobre Minhas duas meninas (Companhia das Letras)

Entrevista de Teté Ribeiro para a Revista Marie Claire sobre Minhas duas meninas (Companhia das Letras)

Entrevista de Teté Ribeiro para a revista Claudia sobre Minhas duas meninas (Companhia das Letras)

Sérgio Rodrigues

24 de novembro de 2018

Sobre o autor

Sérgio Rodrigues nasceu em Muriaé, Minas Gerais, em 1962, e vive no Rio de Janeiro desde 1980. Ficcionista, jornalista, roteirista e crítico literário, é autor do premiado romance O drible (Companhia das Letras, 2013), Elza, a garota (publicado em 2009 pela Nova Fronteira e reeditado pela Companhia das Letras em 2018) e de As sementes de Flowerville (Objetiva, 2006), seu romance de estreia. Escreveu também de coletâneas de contos – sendo A visita de João Gilberto aos Novos Baianos (Companhia das Letras, 2019) seu livro mais recente – e é autor de obras de não ficção, como Viva a língua brasileira! e Cartas brasileiras, ambos pela Companhia das Letras.

O drible foi editado em espanhol, francês e dinamarquês e saiu em setembro de 2015 em Portugal. Na França, o burburinho em torno do livro rendeu ao autor um convite do jornal Le Monde para escrever um folhetim ambientado no mundo do futebol. Os 24 capítulos que integram a obra foram publicados diariamente no jornal durante a Copa de 2014 com o título de Jules Rimet, meu amor. Sérgio tem contos publicados também nos EUA, Inglaterra, França e Espanha.

Como jornalista, é colunista da Folha de S. Paulo e roteirista do programa de TV Conversa com Bial. Trabalhou como repórter, editor e colunista na maioria dos principais veículos da imprensa brasileira, como Jornal do Brasil, O Globo, O Estado de S. Paulo e TV Globo. Foi correspondente do JB em Londres e, antes de se especializar no jornalismo cultural, atuou por muitos anos como jornalista esportivo. Na extinta revista eletrônica NoMínimo, da qual foi editor-executivo, criou o blog Todoprosa, referência na web literária brasileira, que atualizou até 2016. Por cinco anos, a partir de junho de 2010, manteve no portal Veja.com a coluna diária Sobre Palavras, de grande audiência.

 


 

Citações

“O livro não é sobre futebol, mas, de uma maneira inédita na literatura brasileira, o futebol é personagem. Quem diria que nos dois segundos que levou o Pelé para dar aquele drible no Mazurkiewicz cabia uma vida – e um romance? Grande atuação do Sérgio Rodrigues”.
Luis Fernando Verissimo, escritor, sobre O drible (Companhia das Letras)

 “O homem é um craque em domínio de bola, em dribles sensacionais, em tática e técnica, mestre na estratégia de García Márquez — levar o leitor ao próximo parágrafo eletrizado e hipnotizado pelo ritmo das palavras.”
Nelson Motta, sobre A visita de João Gilberto aos Novos Baianos (Companhia das Letras), em O Globo

“Assinado pelo premiado autor de ‘O Drible’ e ‘Viva a Língua Brasileira!’, Sérgio Rodrigues chega provocando: pela garantia da escrita afiada, pelo humor, pela ousadia de unir formas “velhas” a modo novo e por incluir histórias de fragmentos tipo tuítes.”
Valor Econômico, sobre A visita de João Gilberto aos Novos Baianos (Companhia das Letras)

“Sérgio Rodrigues, em seu magnífico livro ‘Viva a língua brasileira!’, recém-lançado, discute esse e outros problemas envolvendo nossa atual maneira de falar e escrever – erros que estão virando ‘acertos’ pelo poder da mídia, acertos que estão sendo transformados em erros pela atuação das patrulhas e os modismos sem causa que, de repente, contaminam até os mais conscientes.”
Ruy Castro, jornalista, sobre Viva a língua brasileira,! (Companhia das Letras), na Folha de S. Paulo

 


 

Leia mais

Matéria da Folha de S. Paulo sobre A visita de João Gilberto aos Novos Baianos (Companhia das Letras)