Tipo de Autor: Colunista

Luana Génot

27 de agosto de 2020

Sobre a autora

Nascida no Rio de Janeiro em 1989, formada em Publicidade pela PUC-Rio, com pós-graduação em Marketing e Comunicação pelo IED-Rio e mestre em Relações Étnico-Raciais pelo CEFET-RJ, Luana Génot é a fundadora e a diretora-executiva do Instituto Identidades do Brasil (ID_BR) e publicou, em 2019, o livro Sim à igualdade racial pela Editora Pallas. É mãe da pequena Alice, adora chocolate e viajar por aí.

Luana é também colunista fixa da Revista Ela, publicada aos domingos por O Globo, já colaborou para os veículos de imprensa Folha de S. Paulo, Meio e Mensagem, além das revista Claudia e GQ. No LinkedIn, foi alçada à categoria Top Voice 2019. A autora é ainda professora convidada de Inovação Social pelo IED-RIO e foi bolsista do Ciências Sem Fronteiras CAPES na University of Wisconsin–Madison, onde se especializou em pesquisa na área de raça, etnia e mídia. Integra atualmente a Rede de Responsible Leaders da BMW Foundation e o Conselho da Comunidade B Rio de Janeiro, parte do Sistema B.

Trabalhou na Burrell/Publicis Chicago na área de planejamento estratégico e como voluntária na campanha de Barack Obama, além de ter passado pelos departamentos de Marketing em multinacionais da área de beleza e entretenimento. Foi também modelo publicitária e de passarela. Desenvolve ainda a curadoria de eventos, além da gestão de projetos sobre raça e etnia, equidade de gênero, diversidade e inclusão, empreendedorismo e empoderamento da juventude periférica.

 


Citações

“O livro é resultado da dissertação de mestrado de Luana Génot em Relações Étnico-raciais e traz análises da autora, que é diretora executiva do Instituto Identidades do Brasil (ID_BR), e 16 depoimentos de pessoas de diferentes perfis. A obra defende que a igualdade racial é peça-chave para o crescimento das empresas e sua diversidade.”
Coluna Babel/Estadão sobre Sim à igualdade racial (Pallas)

“’Sim à Igualdade Racial: Raça e Mercado de Trabalho’ aborda a desigualdade racial no mercado de trabalho no Brasil. Luana Génot, diretora-executiva do Instituto Identidades do Brasil (ID_BR),  traz 16 depoimentos de pessoas, entre CEO de empresas e trainees, atores e jornalistas, que abordam sobre a desigualdade no ambiente corporativo.”
Revista Máxima sobre Sim à igualdade racial (Pallas)

 

 


Leia mais

Entrevista de Luana Génot para o programa Encontro com Fátima Bernardes/TV Globo

Matéria sobre Luana Génot e o ID_BR para o Portal UOL

Perfil de Luana Génot na Revista Vogue

Luana Génot no TEDxSaoPauloSalon

 

Bianca Santana

26 de agosto de 2020

Sobre a autora

Nascida em 1984 em São Paulo, a escritora e militante negra e feminista Bianca Santana é formada em Jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero e Mestre em Educação pela USP. Ela é a autora do premiado Quando me descobri negra (SESI-SP), de 2015, livro ilustrado por Mateu Velasco. Na obra, a escritora parte de uma reflexão pessoal, “tenho 30 anos, mas sou negra há 10. Antes, era morena”, para analisar as particularidades do racismo Brasil, essencialmente velado e, por isso mesmo, tão cruel quanto sorrateiro.

Atualmente, ela finaliza sua biografia sobre Sueli Carneiro, filósofa, escritora e ativista do movimento social negro no país, que será publicada pela Companhia das Letras. Com mestrado e uma intensa atividade acadêmica, Bianca já organizou uma série de coletâneas que reúnem textos que debatem a questão racial, em especial, a da mulher negra, e se firmou como uma importante voz de combate antirracista, sendo considerada “mulher inspiradora” em 2015 e 2016, na área da literatura, pelo projeto feminista Think Olga. Colabora também como colunista para as revistas Cult, Gama e ECOA-UOL.

 


 

Citações

“Se você está passando por essa fase de dúvida em relação à sua cor, deixo como dica o livro ‘Quando me descobri negra’, da jornalista Bianca Santana, que traz reflexões bem marcantes sobre o tema.”
Site da revista Capricho sobre Quando me descobri negra (SESI-SP)

“Autora de ‘Quando me descobri negra’, Bianca traz contos singelos, mas que retratam bem a realidade da identidade negra no Brasil.”
Portal M de Mulher sobre Quando me descobri negra (SESI-SP)

 


 

Leia mais

Perfil de Bianca Santana publicado no Huffpost Brasil

Entrevista de Bianca Santana para a Carta Capital