Celso Luft

Sobre o autor

Celso Pedro Luft nasceu em 1921, em Poço das Antas, região do Rio Grande do Sul habitada majoritariamente por descendentes de imigrantes alemães. Filho de um professor, tornou-se um leitor voraz desde a infância. Ainda adolescente, entrou para o seminário dos irmãos maristas, na capital do estado, de onde saiu anos mais tarde para casar-se com a escritora Lya Luft, mãe de seus três filhos. Em 1940, matriculou-se no curso de Letras Clássicas e, na década seguinte, participou de um curso de reciclagem profissional na Europa, especializando-se em Filologia Portuguesa na prestigiada Universidade de Coimbra. Foi professor titular de Língua Portuguesa da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e da PUC-RS e tornou-se referência obrigatória no estudo e ensino da língua portuguesa no Brasil. Faleceu em 1995, aos 74 anos.

Autor de obras fundamentais para o estudo da língua e titular da cadeira de Língua Portuguesa em duas das mais importantes faculdades de Letras do país, Luft jamais perdeu o sentido de finalidade e o amor pela língua viva, sempre lembrando de que a verdadeira gramática nasce do uso da língua, é seu espírito, a lógica que lhe permite construir novos sentidos a partir dos mesmos elementos. Seu legado é uma enriquecedora contribuição para o diálogo entre alunos e professores, leitores e autores, linguísticos e gramáticos.

Ao mesmo tempo em que se mantinha fiel ao aprofundamento dos estudos da língua, o professor trabalhava também pela democratização do conhecimento. Em vez de ficar preso a jargões e pensamentos acadêmicos tradicionais, a experiência universitária motivou-o a refletir sobre questões essenciais para a verdadeira democratização do conhecimento. Assim, como sua Moderna gramática brasileira (Editora Globo) constituiu um monumento de saber linguístico, referência fundamental para os estudiosos de língua portuguesa, em Língua e liberdade (Ática), Luft ofereceu aos leitores uma espécie de livro-testamento, onde reafirmou seu entendimento da gramática, para propor uma profunda mudança no sistema de ensino da língua portuguesa.

Mas o professor não queria somente ensinar a língua, desejava transmitir sua verdadeira paixão por ela e, em O romance das palavras (Ática), um minucioso trabalho de pesquisa, explicou a origem de palavras e expressões do português, mesclando críticas, sugestões e descobertas, com emoção e humor.

 


 

Citações

“Celso Luft, em seu conhecido ‘Dicionário de regência verbal’, a propósito de discutir a sintaxe do verbo “perdoar”, alfineta gramáticos puristas e mesmo dicionaristas que, ao reprovarem uma construção, logo vêm com a célebre introdução “É muito corrente, embora irregular…”. Retruca Luft: “O que é usual, corrente, é regular.
Thaís Nicoleti de Camargo, professora e consultora de Língua Portuguesa da Folha e do UOL, sobre Celso Luft

 


Share

Vídeos

  • Decifrando a Crase
    Referência
    112 págs, 2005/2014, Globo.
  • Grande Manual de Ortografia
    Referência
    274 págs, 1983/2002/2012, Globo.
  • Novo Guia Ortográfico
    Referência
    216 págs, 1972/2003/2012, Globo.
  • ABC da Língua Culta
    Referência
    560 págs, 2004/2010, Globo.
  • Dicionário Prático de Regência Verbal
    Referência
    544 págs, 1999/2010, Ática.
  • Minidicionário Luft
    Referência
    312 págs, 1999/2009, Ática.
  • Dicionário Prático de Regência Nominal
    Referência
    550 págs, 1992/2009, Ática.
  • Ensino e Aprendizado da Língua Materna
    Referência
    214 págs, 2007, Globo.
  • Novo Manual de Português
    Referência
    616 págs, 1971/2007, Globo.
  • O Romance das Palavras
    Referência
    248 págs, 1996/2006, Ática.
  • Gramática Resumida
    Referência
    190 págs, 1960/2004, Globo.
  • Moderna Gramática Brasileira
    Referência
    266 págs, 1974/2003, Globo.
  • A Palavra É Sua
    Referência
    2000, Scipione.
  • Microdicionário Luft
    Referência
    392 págs, 1999/2000, Ática.
  • Língua e Liberdade
    Referência
    110 págs, 1998/2000, Ática.
  • A Vírgula
    Referência
    88 págs, 1996/1998, Ática.