Marcelo Ferroni

Sobre o autor

Marcelo Ferroni nasceu em São Paulo, em junho de 1974. Formou-se em jornalismo pela PUC-SP e trabalhou como repórter de ciência, na Folha de São Paulo e nas revistas Galileu e IstoÉ. A partir de 2004, iniciou a carreira no mercado editorial.

Entre 2004 e 2006, foi editor de literatura e não ficção da Globo Livros e, em 2006, mudou-se para o Rio de Janeiro, assumindo o cargo de editor do selo literário Alfaguara, que publica no Brasil autores do naipe de Mario Vargas Llosa, Vladimir Nabokov e Haruki Murakami. Comandou a edição brasileira da prestigiosa revista literária inglesa Granta, que publicou em 2012 o número Os melhores jovens escritores brasileiros. É atualmente publisher no escritório carioca do Grupo Companhia das Letras.

Autor de um livro de contos e de quatro romances,  fez sua estreia na literatura em 2004 com a seleção de narrativas curtas, Dia dos mortos. Em 2010, lançou o elogiado e premiado Método prático da guerrilha (Companhia das Letras) – que, a partir de fatos reais, recria a última expedição revolucionária de Che Guevara. Seu livro mais recente, Corpos secos: Um romance (Alfaguara), é uma obra escrita em coautoria com Luisa Geisler, Natalia Borges Polesso e Samir Machado de Machado.

 


 

Citações

“O romance é uma aula sobre o espírito do ‘ganha ganha’ que rege a vida no capitalismo contemporâneo. Almoços de negócios, projetos de franquias, cursos ‘de atualização’, planilhas de gastos resumem esse mundo voraz, refletindo assim a vida mecânica da classe média, espremida entre o medo da pobreza e o sonho de ganhar mais. Todas as suas forças são voltadas para ‘ganhar uma grana’, para ‘fazer um dinheiro’ e para ascender no mercado. Tudo o mais parece inútil e desprezível.”
José Castello, crítico literário, sobre O fogo na floresta (Companhia das Letras)

 “O romance de Marcelo Ferroni, ‘Das paredes, meu amor, os escravos nos Contemplam’ reúne essas duas fórmulas britânico-americanas e o resultado é curiosamente brasileiro.”
Braulio Tavares, escritor, poeta, dramaturgo e pesquisador de literatura fantástica, sobre Das paredes, meu amor, os escravos nos contemplam (Companhia das Letras)

 


 

Leia mais

Matéria do Estadão sobre Corpos secos: Um romance (Alfaguara)

Matéria da Revista Continente sobre Corpos secos: Um romance (Alfaguara)

Matéria da Veja on-line sobre Método prático de guerrilha (Companhia das Letras)

Marcelo Ferroni fala sobre o romance Método prático da guerrilha (Companhia das Letras)

Resenha de José Castello para o suplemento Aliás, Estadão, sobre O fogo na floresta (Companhia das Letras)

Romance retrata vazio do mundo do trabalho, Folha de S. Paulo

Crise econômica e desemprego viram enredo da literatura brasileira, revista Época

 


Share

Vídeos

  • Corpos Secos
    Romance
    192 págs, 2020, Companhia das Letras.
  • O Fogo na Floresta
    Romance
    304 págs, 2017, Companhia das Letras.
  • Das paredes, meu amor, os escravos nos contemplam
    Romance
    272 págs, 2014, Companhia das Letras.
  • Método Prático da Guerrilha
    Romance
    230 págs, 2010, Companhia das Letras.
  • Dia dos Mortos
    Contos e Crônicas
    156 págs, 2004, Globo (dir.revertidos).