27 de outubro de 2006

Cacos para um Vitral

Cacos para um vitral, de 1980, conta o cotidiano aparentemente monótono de Maria da Glória, professora de música e de religião, em busca da perfeição divina. Nele, Adélia Prado usa a metáfora do vitral para explicar a relação entre a vida e Deus. Narrado em terceira pessoa, acompanhamos os pequenos fragmentos da vida dessa mulher, ao lado do marido Gabriel e a discussão de ambos sobre a criação poética.
Quando recuperava a alegria, Glória ficava íntima. E descobria  que o medo e o sentimento de culpa não a preservavam, mas a endureciam. Estar alegre, para Glória, era possuir intimidade. Seu corpo não era mais feito de partes, mas algo inteiro e harmonioso, ajustado, digna de amor e de amar, fazer os outros felizes.

Share

Outras Notícias

Para celebrar Carlos Drummond de Andrade

Por Felipe Maciel Inspirado em iniciativas como o Bloomsday, que celebra […]

leia mais
Marcela Dantés vasculha silêncios em seu primeiro romance

Por Felipe Maciel “Mulher é encontrada mumificada em apartamento cinco anos […]

leia mais
O legado de Oswald de Andrade

Por Felipe Maciel Oswald de Andrade se propôs a mudar o […]

leia mais