6 de junho de 2022

Acerto de contas com o passado

Em novo romance, Marcela Dantés narra a trajetória de uma mulher que, perto dos 40 anos, desembarca em Portugal para encarar os próprios demônios.

Por Felipe Maciel e João Schlaepfer

“Contaram-me que o tal João Maria tinha morrido havia pouco, de um jeito que só pessoas muito estúpidas conseguem morrer.”

Acontece que João Maria é o pai que Matilde só descobriu existir já perto dos quarenta anos. É com essa potência do caos, de arrancar o chão logo nos primeiros parágrafos, que Marcela Dantés nos oferece seu mais novo romance, João Maria Matilde.

Finalista dos prêmios São Paulo e Jabuti 2021, Dantés publica pela Autêntica Contemporânea sua mais recente obra de ficção que aborda a história de uma “mulher forte e independente que pensava ser filha de pai desconhecido”. No entanto, o tal pai a inclui no testamento, que já tem em dia e hora marcada em uma pequena vila de Portugal.

Matilde é uma tradutora e de seu pai sabia apenas o primeiro nome. Diante do Alzheimer da mãe, ela não esperava encontrar respostas sobre parte de sua origem, até receber a ligação de um advogado português. Ele informa que o pai dela, João Maria, morreu atropelado e havia um testamento que precisava ser lido. 

Assim, Matilde embarca para uma viagem a um passado absolutamente novo. No Brasil, ficam o namorado e a mãe com Alzheimer.

Sozinha, ela se convoca a enfrentar seus medos e os próprios escapismos da realidade. Um caminho em construção para se reconhecer. Recém-publicado, o novo romance de Marcela Dantés vem alcançando uma excelente recepção na imprensa.

Segundo o suplemento Pensar, do jornal O Estado de Minas, “Marcela Dantés consegue um feito notável no texto: ela adapta com maestria a oralidade típica de Portugal, usando a seu favor o ritmo rápido, mas sem variações, quase monocórdio, da língua falada por lá. O uso desta oralidade como ferramenta narrativa deixa o livro em uma tensão controlada, mas constante, o que provoca um certo desconforto – proposital.” 

Escritora e colunista do Valor Econômico, Tatiana Salem Levy acrescenta: “o romance de Marcela Dantés traz uma narradora cuja linguagem desliza em várias direções, como se ela própria fosse esse cérebro que só se encontra de verdade quanto mais se perde.”


Share

Outras Notícias

A Agência Riff está na Bienal do Livro de SP!

Por Felipe Maciel A Bienal Internacional do Livro de São Paulo […]

leia mais
Onde podem chorar as crianças, sozinhas em sua dor?

Com um romance intimista, delicado e ambientado no interior do país, […]

leia mais
Pequenos fragmentos urbanos

Mateus Baldi faz sua estreia literária com o livro de contos […]

leia mais