26 de novembro de 2001

BR 163

Duas histórias que se passam na estrada BR 163 deixam no leitor um gostoso sentimento contraditório: ele vai querer saber logo o final, mas não vai querer que elas acabem.
Na primeira, A menina tatuada, a protagonista é Lavínia, que ainda bebê foi deixada num orfanato e cresceu querendo conhecer os pais. Virou policial e um dia recebe a missão de prender um contrabandista que fez fortuna vendendo scotch paraguaio y otras cositas más. Ela e Cardoso, outro policial, pegam a estrada atrás do criminoso. Mais do que cumprir um dever profissional, ambos têm assuntos pessoais a tratar com ele.
Na segunda trama está Selene. Ela perdeu a mãe cedo e, quando menstruou pela primeira vez, o pai, estelionatário, entregou-a aos cuidados de uma cafetina. Um dia Selene recebe um pedido do pai: ajudá-lo a fugir da penitenciária. Mas o que ela ganha com isso? Selene está acostumada a se oferecer como caça, mas desta vez o programa vai sair da rota combinada.
Lavínia e Selene não sabem, mas suas histórias vão se cruzar na BR 163.
“Narrativa instigante, longe do convencional”
Gazeta Mercantil

Share

Outras Notícias

Para celebrar Carlos Drummond de Andrade

Por Felipe Maciel Inspirado em iniciativas como o Bloomsday, que celebra […]

leia mais
Marcela Dantés vasculha silêncios em seu primeiro romance

Por Felipe Maciel “Mulher é encontrada mumificada em apartamento cinco anos […]

leia mais
O legado de Oswald de Andrade

Por Felipe Maciel Oswald de Andrade se propôs a mudar o […]

leia mais