11 de novembro de 2010

Diomira e o coronel Carrerão

Era uma vez um príncipe que abriu mão da fortuna e saiu pelo mundo com a roupa do corpo.
Era uma vez um caipira que vivia com um papagaio dentro de um saco.
Era uma vez um homem muito esperto que bateu na casa de uma viúva dizendo ter notícias do marido morto.
Era uma vez um homem muito bravo que vivia sozinho em sua fazenda sem ninguém para lhe fazer companhia nem para tirar um dedo de prosa.
Sua rabugice espantava todo mundo. As pessoas queriam distância do velho mandão que só sabia reclamar.
Esse era o coronel Carrerão, na casa de quem Diomira foi trabalhar.
Só que a moça, muito esperta, acabou descobrindo um jeito de por fim na rabugice do velho.

Share

Outras Notícias

O legado de Oswald de Andrade

Por Felipe Maciel Oswald de Andrade se propôs a mudar o […]

leia mais
Primeira lista de finalistas do Jabuti 2020

A Câmara Brasileira do Livro (CBL) anunciou no último dia 21 […]

leia mais
Nossos autores na imprensa

Confira as últimas notícias literárias sobre nossos escritores Luis Fernando Verissimo: […]

leia mais