9 de novembro de 2021

O terrível cotidiano de violências sexuais

“Trata-se de uma questão política, coletiva, estrutural. Pensar que a violência sexual é algo que acontece na história da intimidade é errado”, Adriana Negreiros

Por Felipe Maciel

A cultura da violência e do estupro no Brasil em suas mais variadas formas e expressões é o tema de A vida nunca mais será a mesma (Objetiva), segundo livro de Adriana Negreiros. Ela escreve com a precisão das grandes jornalistas: reúne informação, descreve os lugares e o decorrer das horas, elabora o contexto, apresenta fontes e economiza os adjetivos.

Forte, contundente, um nó na garganta: este livro comove. Não há palavra que falte porque elas são escolhidas cirurgicamente e tocam em emoções profundas – o drama e a tragédia residem nos fatos narrados. Eles falam por si.


A história pessoal da autora – a de seu próprio estupro – é a história de um trauma, a de uma vida modificada pela violência, mas há muitas vozes e neste livro escutamos algumas delas. A geleira das estatísticas apenas tateiam a realidade do assédio e a cultura do estupro. Entre avanços e graves retrocessos, o Brasil tarda a agir sobre o tema da violência contra a mulher.

“Uma mulher que um dia passou por uma experiência de estupro nunca mais baixa a guarda. Nunca mais.”, escreve Adriana no epílogo, quando volta a se colocar no centro da narrativa. “Será que por algum momento, durante o estupro, o estuprador pensa que tá fodendo a vida daquela mulher pra sempre?”, acrescenta a seguir, parafraseando o questionamento de uma das mulheres que ouviu para este livro.

Confira a live de lançamento do livro em uma conversa cobre violência contra mulheres, com Adriana Negreiros e Debora Diniz e mediação de Adriana Ferreira:


Share

Outras Notícias

As muitas faces de um mesmo dia

Editora José Olympio celebra 90 anos com lançamento da antologia de […]

leia mais
Uma bela première!

Ilze Scamparini estreia na literatura com uma obra inspirada em fatos […]

leia mais
De volta ao centro do mundo

Em novo livro, a premiada jornalista Eliane Brum, que adotou Altamira […]

leia mais